segunda-feira, junho 26, 2017

 

2ª feira da 12ª semana do Tempo Comum


O Senhor disse a Abrão: «Deixa… e vai para a terra que Eu te indicar. (cf. Gen 12,1-9)

Somos peregrinos de uma nova terra,
com raízes profundas à terra em que nos habituámos a viver.
O Senhor diz a Abrão e diz a cada um de nós:
“Parte de ti mesmo, das tuas amizades fechadas,
das tuas seguranças, das tuas ideias fixas,
das tuas rotinas já conhecidas e nem sempre boas!
Parte para a terra que Eu te indicar!”
Deus parte do Céu e da eternidade para a nossa história
e nós devemos partir do tempo e do provisório
para o amor que não acaba, a eternidade escrutinada na fé!

Vivemos o ideal de permanecer, de nos aconchegarmos no cantinhinho,
nas ideias feitas, no terreno conhecido, no clube de sempre...
Compramos sempre o mesmo jornal, ouvimos sempre a mesma rádio,
vemos sempre o mesmo canal de TV, frequentamos o mesmo bar...
Custa-nos a deixar hábitos, mesmo os que nos fazem mal
e vemos que são prejudiciais à saúde, à carteira, à família...
Custa-nos dialogar com o diferente, pois temos medo de confrontar ideias!
Por isso, preferimos a relação virtual à presencial,
pois na virtual podemos sair quando queremos
enquanto que na presencial temos que negociar ou dar uma boa desculpa.
Não é fácil converter-nos de verdade,
pois habituámo-nos aos carris onde roda a nossa vida!

Senhor, que nos chamas em todas as idades a sair de nós mesmos,
para partir para onde nos queres enviar: uma terra nova,
um fecundidade inimaginável, uma vida de bênção para todos,
ajuda-nos a ter a mesma fé e confiança de Abraão.
Cristo, que partiste do Pai para montar entre nós a tua tenda, 
ensina-nos a partir do nosso conforto para a missão que nos envias.
Espírito Santo, lufada de ar fresco que nos conduz ao rumo certo,
faz-nos renascer para esperança e a peregrinar para a vida nova,
que nos aproxima do irmão como bênção e sem julgamentos.

domingo, junho 25, 2017

 

12ª Domingo do Tempo Comum (25 junho)


A Vós confiei a minha causa. (cf. Jer 20,10-13)

Deus está connosco, é justo e poderoso.
Conhece o coração de cada um e pesa a nossa santidade.
Não se deixa influenciar pela arrogância nem pela astúcia,
mas guarda o fraco e escuta o gemido do oprimido,
premeia aquele que é justo e não faz justiça pelas suas mãos.
Todos os que vivem como seu Filho e se tornam dom oferecido,
Deus guia-os com o seu Espírito e fortalece-os na perseguição,
para que a verdade vença o medo, a graça o mercado,
a esperança a desgraça, a solidariedade a indiferença.
A fidelidade ao dom gratuito vence o medo e salva o mundo!

A vida corre o risco de ser conduzida pelo medo e pelo rancor.
Pelo medo do que vão dizer, de ser perseguido,
de ser rejeitado ou ridicularizado, de perder amigos...
Pelo rancor que brota da ferida do ressentimento
e gangrena em mal estar, depressão, agressividade e vingança.
Quando dominados pelo medo e pelo ódio,
dispensamos Deus, confiamos nas armas de defesa e de ataque,
ficamos paralisados ou possuídos pela inquietação,
perdemos o rumo, esquecemos a missão, arrumamos a humanidade.
Só quando confiamos a nossa sorte a Quem é Senhor do Universo,
é que somos livres e a verdade e o amor nos liberta!

Senhor, Rocha na qual nos seguramos e confiamos,
liberta-nos dos medos que nos paralisam a filiação divina.
Cristo, Irmão amigo que vais à nossa frente,
como Cordeiro manso e humilde, forte e vencedor,
fortalece-nos com o Pão que se faz dom gratuito
e salva, dando vida, sarando faltas, fermentando a fidelidade.
Espírito Santo, dom que cura ressentimentos,
recria o nosso coração para que seja fonte de amor,
pagando o mal com o bem, deixando a Deus o julgamento.
Ajuda-nos a ser fieis à nossa missão e profecia,
quando o medo nos atemoriza e o egoísmo nos acomoda!

sábado, junho 24, 2017

 

Nascimento de S. João Batista


Ele que me formou desde o seio materno, para fazer de mim o seu servo. (cf. Is 49,1-6)

Celebrar o nascimento de João Batista
é celebrar o Deus que o criou e chamou a ser profeta.
A sua missão é ir à frente do Messias,
a preparar os seus caminhos, a apontar a sua presença.
Proclama um batismo de penitência, um regresso à aliança,
pois está a chegar o Esposo, que nos batizará no Espírito!
João é pura graça que aponta para a Fonte,
fazendo a ponte entre a antiga e nova aliança,
que o Cordeiro, concebido no seio da sua humilde Ovelha,
vai fazer, inaugurando um tempo de graça, 
o Hoje da nossa salvação!

É difícil de perceber que um santo tão austero
dê lugar a festas populares tão extravagantes!
Ficou talvez o martelinho sonoro que desperta
para o Novo que justifica a festa e nos põe em alerta!
Mas até o martelinho passou a ser uma distração ruidosa,
que nos reúne na véspera, para o adormecimento de olhos abertos!
Assim se neutraliza a profecia de um santo do deserto,
que chama à penitência e aponta para a Luz que desponta!

Senhor, que escolheste João Batista para ser o precursor
e preparar a vinda do teu Filho, misturado de humanidade,
ajuda-nos a seguir o caminho de conversão que Ele proclama.
Cristo, que também Tu enviaste os teus discípulos
aos lugares onde Tu querias ir, como precursores,
desperta-nos para a missão de sermos como João Batista,
que prepara a tua vinda e abre as portas à fé no Evangelho.
S. João Batista, intercede por cada um de nós,
para que saibamos descobrir e seguir a nossa vocação,
realizando-a com humildade e fidelidade profética!

sexta-feira, junho 23, 2017

 

Sagrado Coração de Jesus


Nós conhecemos o amor que Deus nos tem e acreditámos no seu amor. (1 Jo 4,7-16)

Deus é todo amor, coração que se faz fonte de vida,
aliança que se abaixa e propõe noivado,
misericórdia que cura traições e esquecimentos,
esperança que encarna no seu Filho,
inabitação do Espírito, que prepara o nosso coração para amar.
Nós conhecemos o seu amor porque este se manifesta
e acreditamos que só amando permanecemos em Deus!
A fé em Jesus Cristo não acredita em soluções de guerra,
crê na paz, crê no perdão, crê na não-violência, crê na justiça!

O acesso ao conhecimento democratizou-se.
Basta entrar na internet e pesquisar um tema
e temos acesso a um montão de informações. 
Também ao nível religioso, o conhecimento está acessível.
Mas conhecer coisas sobre Deus ou Jesus
não é o mesmo que acreditar em Deus revelado por Jesus!
Acreditar supõe confiar em Alguém, seguir o seu caminho,
abandonar outras soluções contrárias, 
viver segundo o seu Espírito!
Acreditar em Jesus é crer que só o amor salva,
e, por isso, a violência mata e a vingança alimenta a guerra!

Pai nosso, bom Senhor e fonte de salvação,
dá-nos um coração grande e forte,
capaz de perdoar quando ferido, de amar quando desamado!
Cristo, que na cruz da tua rejeição renovas a tua aliança
e pronuncias a melhor e mais eterna declaração de amor,
obrigado porque não desistes de nós
e continuas a dizer-nos em cada Eucaristia:
“Eu estou disposto a dar a vida por ti,
abre o teu coração ao meu Espírito
e deixa que Ele te ensine a amar como fonte que não acaba!”
Sagrado Coração de Jesus que tanto nos amais,
faz que Te amemos e amemos os irmãos cada vez mais!

quinta-feira, junho 22, 2017

 

5ª feira da 11ª semana do Tempo Comum


Receio que os vossos pensamentos sejam corrompidos e se afastem da simplicidade para com Cristo. (cf. 2 Cor 11,1-11)

Em Cristo o mistério torna-se simplicidade e transparência.
Tudo se resume à verdade do amor que serve a salvação,
se doa, se aproxima, é misericordioso, 
vence a prova da dor e da traição na cruz.
A oração não é de palavras mágicas e difíceis,
mas de relação filial e amorosa com um Pai que é de todos,
num ajoelhar solidário que abraça a todos na fraternidade.
É por isso, que as crianças e os simples 
são os que melhor entendem de oração e de Cristo!

Os chamados sábios gostam de complicar as coisas:
arranjam uma linguagem hermética para dizer coisas simples,
guardam para si algumas descobertas e registam-lhe a patente...
Na religião há também os que acham que sabem palavras mágicas,
ritos eficazes, interditos fundamentais, segredos vitais...
e vão complicando a liturgia e a vida, divulgando medos e condenações,
recorrendo, muitas vezes, a pretensas revelações divinas!
É importante uma liturgia que nos ajude a entrar no mistério,
mas muita rigidez ritual cria ruído e centra-nos no acessório!
É importante comungar com respeito e com fé,
mas muitas vezes a insistência numa determinada forma de comungar
distrai-nos do mistério do Pão que nos assimila em Cristo!

Senhor, Pai nosso, Irmão nosso, Luz de todos,
envolve-nos com a vossa santidade e amor,
e eleva-nos para Vós, com sandálias de peregrino solidário.
Cristo, que nos falas com a autoridade da verdade,
na simplicidade das parábolas e do Evangelho quotidiano,
aumenta a nossa fé no seguimento simples e fiel dos teus passos.
Liberta-nos das complicações que nos distraem de Ti e do irmão,
e envia-nos a luz do teu Espírito que nos rejuvenesce o coração
e torna simples e verdadeiro o diálogo orante a amigo.

quarta-feira, junho 21, 2017

 

4ª feira da 11ª semana do Tempo Comum – S. Luís Gonzaga


Quem semeia pouco também colherá pouco. (cf. 2 Cor 9,6-11)

Deus não se cansa de semear no terreno baldio da história.
Semeia a sua Palavra com generosidade,
cultiva o seu povo propondo colaboração e aliança,
trata os seus filhos com misericórdia e paciência,
envia o seu Filho a podar e a recolher os seus frutos,
num trabalho árduo em que empenha a própria vida.
O se Filho aprende com o Pai a semear com generosidade
e desafia-nos a continuar esta sementeira de caridade
que quer transformar a criação num campo fecundo, belo e amigo, 
que alimenta a vida e a festa para todos.
Se o grão não é repartido e semeado, apodrece e não dá fruto!

A falta de fé, amor e esperança faz-nos temerosos,
pouco generosos, consumidores para nos mesmos.
Poupamos para nós e para assegurar o futuro
ou para alimentar um consumismo acrítico e egoísta:
as últimas novidades tecnológicas, a última moda,
as férias de sonho, uma experiência radical.
Quem vive para si mesmo, não gera vida ao seu lado!
Felizmente, há um grupo significativo de pessoas
que aproveitam a vida e as férias para semear voluntariado,
distribuir solidariedade, oferecer tempo a Deus e aos outros,
partilhar a fé e a esperança, amar gratuitamente!
São estes que descobrem a alegre surpresa:
“que há maior alegria em dar do que receber!”

Senhor, acordamos cada manhã com a rotina do dom,
que quase já nem desperta em nós o agradecimento e o louvor!
Desculpa, mas é bom saber que nos assistes durante a noite
e nos esperas ao romper do dia, 
com a alegria de quem buscou o melhor para nós!
Ensina-nos a alegria da generosidade e o cuidado do outro,
e liberta-nos da tentação de vivermos para nós mesmos.
Que a avareza não nos cegue a fraternidade
e o comodismo não nos paralise a missão e a caridade.
S. Luís Gonzaga, jovem desprendido e generoso,
intercede pela nossa juventude 
para que descubra a alegria de ser dom que dê vida!

terça-feira, junho 20, 2017

 

3ª feira da 11ª semana do Tempo Comum


Ele, que era rico, fez-Se pobre por vossa causa, para vos enriquecer com a sua pobreza. (cf. 2 Cor 8,1-9)

A riqueza de graça e de amor abaixa-se para elevar.
É assim o coração de Deus que se revela em Jesus!
É assim o coração de quem ama o pequenino e o pobre!
É um poder que não rebaixa nem humilha,
mas que serve, engrandece, enriquece a dignidade,
salva quem anda perdido,
faz festa com quem se sente uma nulidade!
Foi quando Jesus se deu totalmente
que nos enriqueceu a todos com a sua presença,
a sua aliança eterna, a sua misericórdia infinita,
o seu Pão de Vida, a sua salvação!

Há riquezas que são uma festa para todos
outras que provocam inveja, revolta e humilhação.
Há fundações que gerem riquezas ao serviço da cultura,
da solidariedade, do bem comum, da promoção humana,
e são louvadas por todos e queridas por todos.
Há impérios que crescem para si,
em condomínio fechado, que são cobiçados por ladrões,
invejados pelos pobres, sinais de que algo estraga a paisagem!
O mundo está mal dividido e cheio de fossos que separam,
injustiças gritantes que estruturam a sociedade,
mas há também sinais de esperança,
generosidade escondida e justiça estruturante,
que eleva, promove, dá vida e serve a esperança!

Senhor, tão grande que nada Te pode conter
e tem pequeno e próximo que serve escondido,
respeitando a liberdade, acompanhando como peregrino!
Cristo, Emanuel no mais íntimo do nosso ser,
feito sinal de pedaço de pão repartido
e de água que purifica a contaminação que mata!
Espírito Santo, respiração suave e renovadora de Deus,
a força do teu amor apresenta-se pobre e terna,
que só parados e silenciosos notamos a sua paz!
Santíssima Trindade, ajuda-nos a ser uma Igreja serva,
despida de poder e rica em generosidade e graça,
promotora de solidariedade e livre para amar até os inimigos!

This page is powered by Blogger. Isn't yours?