sexta-feira, abril 20, 2018

 

6ª feira da 3ª semana da Páscoa


Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Mas levanta-te… (cf. At 9,1-20)

Na vida de Jesus palpita o coração do Pai.
Na vida dos discípulos deve palpitar o coração de Jesus,
porque no coração de Jesus palpita o destino da humanidade!
Jesus identifica-se de tal forma connosco, 
que perseguir a Igreja, o pobre e sem esperança,
é perseguir o próprio Cristo!
Os sacramentos, de modo especial a Eucaristia,
são sinais desta comunhão de amor que dá a vida por nós!

Muitas vezes, sem nos darmos conta, 
atuamos como inimigos de Cristo!
Cada vez que nos fechamos às obras de misericórdia,
omitimos atenção e amor ao que precisa,
perseguimos e destruímos a vida, em vez de a cuidar e proteger,
damos mau testemunho que desfigura a santidade da Igreja
e fechamo-nos à escuta da Palavra e ao alimento da Vida!
Estamos perante a Fonte, mas em vez de saciar a nossa sede,
sujamos e poluímos a água, destruímos a fonte e viramos as costas, 
não aproveitando nós nem deixando outros beber!
Somos filhos da Vida, não da morte!

Senhor, Pão do Céu, alimento oferecido com generosidade
e servido na Mesa da Palavra e no altar do Pão eucarístico!
Perdoa as vezes que eu, pelo meu egoísmo e medo de me perder,
Te persigo na pessoa do irmão e no mau testemunho.
Ajuda-nos a ser promotores de vida, de diálogo e de integração,
para que todos se sintam tratados como irmãos, 
apesar de diferentes e até pecadores!
Transforma os “Saulos” de hoje em evangelizadores do amanhã!

quinta-feira, abril 19, 2018

 

5ª feira da 3ª semana da Páscoa – Semana de Oração pelas vocações consagradas


O Espírito de Deus disse a Filipe: «Aproxima-te e acompanha esse carro». (cf. At 8,26-40)

O Pai atrai, o Filho acompanha e salva,
o Espírito inspira e guia para a vida eterna.
Somos fruto de um grande amor!
Filipe, guiado pelo mesmo Espírito,
levanta-se, caminha, aproxima-se, acompanha,
escuta, questiona, explica, anuncia, batiza…
tudo faz em nome Jesus, o Messias 
que oferece a sua vida por todos!

Corre-se na vida, com o ideal de viajar sozinho,
sentado no meu carro, com o meu programa,
com a minha interpretação, sem que ninguém me incomode.
Entrar no mundo de cada um é cada vez um desafio maior, 
nesta corrida de indivíduos guiados pelo relativismo.
É preciso correr lado a lado, escutar o seu mundo de dúvidas,
aproximar-se, questionar o sentido na hora certa,
saber esperar o convite para entrar no seu mundo
e começar a evangelizar a partir de onde está, 
de forma personalizada e guiados pela Palavra!

Senhor, há muito que percebi que caminhas ao meu lado,
com a fidelidade de quem ama incondicionalmente,
com uma paciente misericórdia e uma grande pedagogia,
esperando o convite para entrares na minha casa desarrumada!
Obrigado pela tua Palavra que é luz dos meus passos,
pelos sacramentos que são sinais do teu amor salvífico,
pelas inspirações do Teu Espírito 
que nos move a ser discípulos e missionários.
Neste mundo em velocidade de cruzeiro,
dá-nos muitos e fieis evangelizadores, disponíveis para sairem de si
e partirem para se aproximar, acompanhar e anunciar o Evangelho!

quarta-feira, abril 18, 2018

 

4ª feira da 3ª semana da Páscoa


Os irmãos dispersos andaram de terra em terra, a anunciar a palavra do Evangelho. (cf. At 8,1b-8)

Deus quer salvar a todos, por meio do seu Filho.
Jesus é o Pão vivo, descido do Céu,
para alimentar a vida eterna dos que tombam fracos.
Dos seus discípulos faz valorosos missionários!
Mesmo quando a perseguição aperta,
a dispersão é campo fecundo de missão.
O refugiado torna-se peregrino e arauto do Evangelho!

A Igreja nasce do “ide por todo o mundo”,
mas a tentação é “instalar-se” num lugar,
fazer da paróquia o seu reino, do “eu” um couto privado!
A “instalação” leva à acomodação, à acumulação,
ao fechamento, à perda de horizonte, à mediocridade!
Muitas vezes, na história, o impulso para a renovação
e para a missão veio de fora, das perseguições!

Senhor, louvado sejas porque desceste por mim,
vens para salvar a todos, morreste por todos!
Louvado sejas porque continuas a chamar colaboradores
para continuar a tua missão redentora.
Liberta-nos do colesterol mau do comodismo e da indiferença,
e desperta-nos para a urgência da missão a nós incumbida!
Ajuda-nos a aproveitar todas as situações e adversidades,
para nos convertermos e darmos razões da nossa esperança!

terça-feira, abril 17, 2018

 

3ª feira da 3ª semana da Páscoa – Semana de Oração pelas vocações consagradas


Vejo o Céu aberto e o Filho do homem de pé à direita de Deus. (cf. At 7,51-8,1a)

Jesus é o Pão da vida que desce do Céu.
Assimilou a nossa humanidade,
para que nós assimilássemos a sua divindade.
Abriu-nos a porta do Céu e, como Cabeça, nos espera,
para que todo sejamos um só Corpo Nele!
Aos seus discípulos dá-lhes a graça de serem dom e missão,
como Estêvão, que fala como Jesus, perdoa como Jesus,
confia como Jesus, dá a vida como Jesus!

O egoísmo e a falta de fé torna-nos míopes.
Só vemos poder, prazer, fama, glória do instante,
gula de consumir, comodismo de sonhar…
Para correr mais rápido e abraçar o global,
preferimos o virtual do que o real,
o sonho que a verdade, o parecer que o ser!
É uma vida sem horizonte, sem ver o caminho 
e a porta do Céu, sem esperança na eternidade!
E, sendo assim, comamos e bebamos, gozemos...
que amanhã, quem sabe, morreremos!

Senhor, esperamos o Céu, mas agarrados à terra.
Dá-nos a fé de Estêvão, que o faz livre para ser missão,
falar como profeta, entregar o seu espírito em tuas Mãos invisíveis.
Sacia a nossa fome de sentido e de esperança.
Ilumina-nos com a tua Palavra 
e fortalece-nos com o sacramento da Eucaristia,
para que sejamos hoje a tua presença e a tua ousadia!

segunda-feira, abril 16, 2018

 

2ª feira da 3ª semana da Páscoa – Semana de Oração pelas vocações consagradas


Estêvão, cheio de graça e fortaleza, fazia grandes prodígios e milagres entre o povo. (cf. At 6,8-15)

Deus dá-nos os seus dons, 
não para que nos tornemos meros consumidores,
mas para que nos tornemos dom e pão da alegria.
Jesus veio a nós, encarnou na nossa história,
para que alimentado pela sua Palavra 
e conduzidos pelo seu Espírito, sejamos outros Cristos!
Estêvão, cheio de graça e do Espírito Santo,
revela Jesus Cristo a atuar por meio de si, 
com os mesmos sentimentos e a mesma missão!

O consumismo gera consumidores de coisas e de dons.
O amor gera amizade, que se for pura, é desinteressada.
A fé e a confiança geram discípulos, seguidores.
A esperança gera solidariedade, audácia e missão.
A relação gera crescimento e diálogo.
O individualismo gera fechamento, solidão, estagnação.
Que tipo de cristão queremos ser? O que nos move?

Senhor, a tua Palavra é doce como o mel,
mas, quando assimilada, conduz à cruz e mete medo!
Temo entregar-me totalmente a Ti e fujo com frequência,
buscando ruído para não escutar,
superficialidade para não aprofundar,
indiferença  e ritualismo para não me comprometer!
Que o teu Espírito nos ajude a ser verdadeiros discípulos 
e missionários de Jesus, na liturgia e no quotidiano!
Obrigado, Senhor, pelo Papa Bento XVI que hoje faz 91 anos!

domingo, abril 15, 2018

 

3º Domingo da Páscoa


Ele é a vítima de propiciação pelos nossos pecados. (cf. 1 Jo 2,1-5a)

A ressurreição de Jesus manifesta o sentido da sua morte.
Ele revela-se como a nossa paz, a aliança eterna.
A sua misericórdia manifesta o nosso pecado:
matámos o Autor da vida, o Justo que morre em nossa vez.
Por isso, a Páscoa deve levar-nos a despertar para a conversão,
para o cuidado em guardar a sua Palavra,
para o testemunho e anúncio da sua graça a todos!

O pecado gera vítimas e alimenta o sofrimento.
A gula, a preguiça e o orgulho levam-nos à dependência 
e fazem-nos escravos e doentes, vítimas de nós mesmos, 
como se fossemos alérgicos a nós mesmos!
A avareza, a inveja, a luxúria e a ira 
levam-nos a fazer dos outros nossas vítimas,
gerando injustiça, guerra, instrumentalização, violência...
Para curar o pecado que nos vitima e faz vitimas,
Deus, em Jesus, oferece-se como vítima de expiação!

Senhor, que mistério de amor é este,
dum Messias que dá a vida por aqueles que O Matam! 
Que mistério de amor eterno que quer ser Deus-connosco,
apesar da rejeição do Justo e da opção pelo assassino! 
Liberta-nos, Senhor, do círculo de morte em que giramos, 
que nos adoece a liberdade, a paz e a alegria,
e gera vítimas ao nosso lado, em pódios insensíveis de violência!

sábado, abril 14, 2018

 

Sábado da 2ª semana da Páscoa


Os helenistas começaram a murmurar contra os hebreus, porque não se fazia caso das suas viúvas. (cf. At 6,1-7)

Deus é amor e quando o amor é só para alguns,
começa a murmuração e a discriminação!
Jesus tem o seu projeto de salvação
e quando nós não O compreendemos ou não aceitamos,
começa a murmuração e a infidelidade dos discípulos!
A solução não é a guerra e a acusação mútua,
mas a misericórdia e o diálogo sobre novos ministérios.

As igrejas vão crescendo e diminuindo ao longo da história,
de acordo com o país e a sua cultura.
Os ministério e os carismas são chamamentos e dons do Espírito,
para assegurar o “serviço da oração e da pregação”
e o “serviço da caridade ou das mesas”.
Se alguém fica privado de algum destes serviços,
a Igreja deve reunir-se, rezar e dialogar,
para se encontrar soluções ministrais novas a partir de Cristo.
A interioridade e a diminuição das vocações ao sacerdócio,
põem problemas ao nível da assistência religiosa a todos!

Senhor, Tu és o “Eu Sou”,
que nos visita durante a noite e a tempestade!
Vem, Senhor, e entra na nossa barca,
e com a força do teu Espírito ajuda-nos a encontrar a paz
e as pessoas adequadas para servirem a Igreja
e torna-la mais viva, mais celebrativa, mais missionária!
Liberta-nos da murmuração e das divisões intriguistas.
Dá-nos a sabedoria da comunhão e do diálogo,
que busca as soluções e os ministérios que Tu queres,
para que ninguém fique sem ser assistido e alimentado na fé!

This page is powered by Blogger. Isn't yours?