segunda-feira, abril 06, 2020

 

2ª feira da Semana Santa


Maria ungiu os pés de Jesus e enxugou-Lhos com os cabelos; (cf. Jo 12,1-11)

O Filho de Deus assume-se como o Servo de Javé.
Seis dias antes da Páscoa é ungido por Maria,
com um perfume de nardo puro, de alto preço.
Perfuma e é perfumada, sentada aos seus pés,
na mesma atitude de escuta do mistério da doação.
A fidelidade à sua aliança não tem preço,
a mansidão da sua missão é fonte de graça,
por isso o perfume do amor enche toda a casa!
Como perfumamos os pés de Jesus nesta Semana Santa?

Esta Semana Santa é silenciosa e cheira a insegurança:
quanto tempo vamos ficar em confinamento?
Quanto tempo vamos ficar escola à distância?
Como será o pós-Covid na economia e no emprego?
Que mudanças trará esta quarentena na Igreja?
Maria prepara a morte de Jesus e antecipa a unção, 
dando o seu melhor, 
e nós como nos preparamos para uma vida nova?

Senhor, Pai nosso, estamos nas tuas mãos
nesta tempestade que nos assaltou,
neste mal invisível que ameaça contagiar-nos.
Fazemos memória da tua morte, contando mortos,
com funerais quase solitários como o Teu,
e é o amor que perfuma a esperança e prepara o amanhã!
Dou-Te graças por todos os que fazem do seu suor 
um perfume que gera vida e se descobrem instrumentos de salvação.
Ensina-nos o que significa hoje ungir-Te com perfume,
em vez de comer contigo a festa da Páscoa.

domingo, abril 05, 2020

 

Domingo de Ramos na Paixão do Senhor


É em tua casa que Eu quero celebrar a Páscoa. (cf. Mt 26,14-27,66)

O Rei dos réis entra no mundo como uma criança,
cresce como um filho de carpinteiro galileu,
sofre a traição e a negação como um mestre fracassado,
entra em Jerusalém sentado na mansidão de jumentinho,
é condenado como um malfeitor e sepultado morto!
É a fragilidade que manifesta a sua força numa Pascoa diferente!
Cada um de nós é um ramo enxertado na Vide de Jesus!

É na casa de Jesus, o templo, 
que costumamos celebrar a Semana Santa.
Hoje, num confinamento preventivo, 
o Senhor quer celebrar a sua Páscoa em nossa casa.
É de longe, pela janela da fé e do virtual,
que vemos a celebração sacramental acontecer.
A proximidade familiar ou a solidão da casa
são o lugar do encontro, da escuta, da aclamação
duma Páscoa estranha, mas não mais verdadeira!
O pai ou a mãe são os que presidem a este tempo sagrado 
onde o tema é Jesus e o sentido das nossas vidas,
no mistério do sofrimento e do medo de morrer!

Senhor, nossa Páscoa e companhia na solidão!
Dá-nos vontade de gritar como Tu:
“Meu Deus, meu Deus, porque me abandonaste!”
Neste despojamento total em que nos encontramos,
só nos resta confiar em Ti que venceste a morte!
Dá-nos vontade de gritar e pedir:
manifesta que és Deus e cura-nos desta pandemia,
mas a tua vontade é que estejamos unidos,
apesar de distantes, no sofrimento e no medo,
na precaução e na vigilância, no cuidado e na oração!
Ajuda-nos a fazer desta semana uma Semana Santa!


sábado, abril 04, 2020

 

Sábado da 5ª semana da Quaresma


Que vos parece? Ele não virá à festa? (cf. 11,45-56)

Jesus esconde-se, mas não deixa de estar presente.
Ele é o Emanuel, o Deus-connosco, a sofrer connosco.
Não são as celebrações humanas, os ritos e as procissões
que O tornam presente, 
mas é porque Ele está presente que há celebrações!
Fazer memória é uma questão humana,
estar presente é resultado da fidelidade de Deus.
Quaresma sem a participação presencial no templo
é um exercício de fé em Jesus que está confinado connosco! 

Esta vai ser uma Semana Santa diferente.
Vai ser um desafio à criatividade espiritual,
pois os dias confinados em casa são todos iguais!
Há a televisão, a rádio e a internet 
que nos conectam com o templo, de forma virtual.
E seremos meramente espetadores, 
se não nos tornamos participantes ativos, 
se não fizermos da casa um templo!

Senhor, Tu não faltas à festa, porque esta é a tua missão.
Nesta pobreza de sinais exteriores, ajuda-nos a ver-Te presente,
ao nosso lado, a carregar a cruz dos nossos pecados,
a acalentar a nossa coragem paralisada pelo medo!
E neste despojamento que exige a opção da nossa determinação,
ensina-nos a celebrar a tua Paixão e Páscoa de amor,
no mais profundo do nosso coração, na intimidade da família.
Protege-nos de todo o mal e não nos deixes cair em tentação!

sexta-feira, abril 03, 2020

 

6ª feira da 5ª semana da Quaresma


Não é por qualquer boa obra que Te queremos apedrejar: é por blasfémia. (cf. Jo 10,31-42)

Em Deus, palavra e ação são a mesma coisa.
A palavra explicita o sentido das obras
e mobiliza para que nas criaturas a fé seja testemunho.
Quem apedreja e mata não permanece na Palavra,
mas faz as obras de outro pai, que não Deus.
A Quaresma é tempo de conversão,
de reconhecer que palavra seguimos
e se o que dizemos ser é o que é Jesus.

As ideologias políticas e as guerras religiosas,
vivem de palavras, de ataques sobre quem é o melhor,
quem é o mais poderoso, o mais verdadeiro…!
Muitas pedras são atiradas ao outro,
muita violência moral e física,
muito fundamentalismo que esquece a fraternidade.
O ataque invisível de um vírus despojou-nos de seguranças,
pôs-nos todos em casa, só a luta pela vida permanece.
Até os partidos políticos atenuaram as ideologias
e uniram esforços para salvarem vidas.
E as Igrejas renunciaram à celebração pascal presencial,
e uniram-se em oração, numa comunhão espiritual e virtual.

Senhor, enviaste a Palavra e Ela está no meio de nós,
mas nós andávamos surdos a divertir-nos com palavras.
Ajuda-nos, nesta paragem do tempo, a fazer silêncio,
a escutar o outro mais profundamente,
a escutar-Te a Ti mais detidamente.
Espírito Santo, Luz que nos confronta com a verdade,
ajuda-nos a descobrir as incoerências da nossa prática de fé,
a fazer das pedras que atiramos, pedras da calçada que usamos
para fazer o bem, para caminhar para Deus e seguir Jesus!

quinta-feira, abril 02, 2020

 

5ª feira da 5ª semana da Quaresma


Agarraram em pedras para apedrejarem Jesus, mas Ele ocultou-Se e saiu do templo. (cf. Jo 8,51-59)

Deus fez uma aliança com Abraão e todos os povos,
Jesus fez uma aliança eterna com todos, no seu sangue!
Este o Dia de Jesus com que Abraão se alegrou
e os homens apedrejaram e tentaram revogar.
Mas quando atacam a aliança, 
Jesus não responde com violência ou vingança,
mas oculta-se e sai do templo em missão de luz;
Luz que ilumina a mentira e queima a idolatria!

Estamos a viver tempos em que parece que o mal vence
e que todos nós, impotentes, nos temos que ocultar em casa.
Nem sequer podemos ir ao templo gritar por socorro!
Parece que Deus assiste impotente a esta paragem no ritmo,
a este cair doente global, a este morrer estatístico!
E parece que o que sobra é apenas solidão e medo!
Mas a história ensina-nos que há esperança na crise,
que a Vida, mesmo escondida, não nos abandona,
que esta é uma boa oportunidade de vermos 
que Deus não está confinado ao templo, mas caminha connosco!

Senhor, reconhecemos que o mais importante,
para o bem e para o mal, é invisível, mas traz consequências.
Ajuda-nos a compreender o tempo que vivemos,
a aliança que esquecemos, a Palavra que não tem nidação!
Desculpa porque agora dou-me conta que Te confinamos ao templo
e afinal, Tu estás em toda a parte como fonte do bem e remédio do mal.
Ajuda-nos a viver, com proveito, esta Quaresma tão diferente!

quarta-feira, abril 01, 2020

 

4ª feira da 5ª semana da Quaresma


Se Deus fosse o vosso Pai, amar-Me-íeis. (cf. Jo 8,31-42)

O Filho de Deus é a imagem perfeita do Pai,
não porque assim foi predeterminado, 
mas por obediência ao que vê e escuta do Pai.
É assim que o Pai se torna pai,
não apenas no ato de geração, mas por toda a eternidade.
O Filho é filho na eternidade e na encarnação,
na oração e na ação, nas dificuldades e nas facilidades!
E nós a quem temos por pai, a quem escutamos e seguimos?

Neste mundo de serviços, os filhos crescem longe dos pais.
Têm amas, assistentes sociais, animadores, professores,
catequistas, mestres, ídolos, colegas, amigos virtuais e reais…
E os pais? São senhores de alojamento e mesadas… e pouco mais!
E como não são iniciados na fé cristã, não conhecem o Pai,
o Pai de todos, o Irmão que nos faz filhos, 
o Espírito que plasma os sentimentos do Pai!
Este vírus veio colocar tudo em causa,
veio pôr um grande ponto de interrogação a esta forma de vida!

Bom Pai, obrigado pela tua Palavra de amor,
a tua graça misericordiosa, a luz da tua salvação.
Perdoa a dureza do nosso coração, a ilusão das nossas ambições,
a cegueira do nosso egoísmo, a surdez aos teus conselhos.
Espírito Santo, renova-nos à imagem de Jesus, Filho de Deus,
para que aprendamos a viver como filhos de Deus, no Filho!

terça-feira, março 31, 2020

 

3ª feira 5ª semana da Quaresma


Quando levantardes o Filho do homem, então sabereis que ‘Eu sou’. (cf. Jo 8,21-30)

A exaltação do Filho de Deus é a sua fidelidade na cruz.
Oferecer a vida para salvar os que O rejeitam e matam
é o supremo sinal de amor, a surpresa duma aliança eterna.
A cruz é o espelho da nossa iniquidade
e a revelação da face de um Deus escondido e oferecido!
Seguir Jesus e aceitar seu enviado ao mundo de hoje
é aprender a difícil arte de amar, perdoar e servir por amor!

Quando se falava da eutanásia, 
discutia-se a alteração do código de ética dos médicos;
agora que chegou a pandemia, a classe médica foi levantada
na oferta de vida para salvar vidas, numa entrega surpreendente!
Quando a mulher grávida entra em processo de dar à luz,
sofre as dores de parto, põe em risco a própria vida,
mas quando recebe nos seus braços a nova vida,
aperta-a no peito e encaminha-a para o peito, fonte de vida!
O amor muitas vezes dói, mas é ele que eleva a qualidade de vida!

Senhor, foi na cruz que soubemos Quem eras,
não pela resistência à dor, mas pela fidelidade ao amor!
Purifica-nos do egoísmo e do comodismo
e ensina-nos a amar com a grandeza da incondicionalidade!
Que o teu Espírito nos avise e liberte do amor interesseiro,
da vanglória solidária, do voluntariado para dar nas vistas.
Faz desta quarentena uma verdadeira Quaresma!

This page is powered by Blogger. Isn't yours?